Home Governo de Portugal DGPC Home UNESCO
English Version

Séc. XIX

Em 1833, por decreto de 28 de Dezembro o Estado seculariza o Mosteiro dos Jerónimos e entrega-o à Real Casa Pia de Lisboa, instituição de acolhimento de órfãos, mendigos, e de desfavorecidos. A Igreja passa a servir de igreja paroquial da nova freguesia de Belém. Perde-se grande parte do seu valioso recheio.

A partir de 1860 iniciam-se as obras de remodelação do Mosteiro com o levantamento e desenho da fachada sul do Mosteiro pelo arquitecto Rafael Silva e Castro, copiado em 1898 pelo arquitecto Domingos Parente da Silva. É demolido o tanque do claustro, os tabiques das galerias e a cozinha do Mosteiro. Na mesma data o arquitecto J. Colson elabora três projectos para a reconstrução do Mosteiro que não são aprovados. O último introduz já elementos revivalistas neomanuelinos. Em 1863, é nomeado o arquitecto de obras do Mosteiro Valentim José Correia que trabalha sob a alçada directa do Provedor da Casa Pia, Eugénio de Almeida. Entre 1863 e 1865 reorganiza-se o andar superior do antigo dormitório e desenham-se as janelas. A partir desta data Valentim José Correia é substituído por Samuel Barret que vai construir os torreões no extremo poente dos antigos dormitórios. Este, por sua vez, é substituído como arquitecto das obras do Mosteiro, em 1867, pelos cenógrafos italianos do teatro de S. Carlos, Rambois e Cinatti.

Entre 1867 e 1878 estes cenógrafos vão reformular profundamente o anexo e a fachada da igreja, dando ao monumento o aspecto que conhecemos hoje. Vão, assim, demolir a galilé e a sala dos reis, construir os torreões do lado nascente do dormitório, a rosácea do coro-alto e substituir a cobertura piramidal da torre sineira por uma cobertura mitrada. Estas obras sofrem um contratempo quando, em 1878, se dá a derrocada do corpo central do dormitório. A partir 1884, entra em campo o Eng. Raymundo Valladas que em 1886 inicia o restauro do Claustro e da Sala da Capítulo, com a construção da respectiva abóbada. Nessa sala é colocado, em 1888, o túmulo de Alexandre Herculano cuja autoria é de Eduardo Augusto da Silva.

Para celebrar o IV Centenário da chegada de Vasco da Gama à Índia (1898), decide-se em 1894 concluir as obras de restauro. Os túmulos de Vasco da Gama e Luís de Camões, da autoria do escultor Costa Mota, são colocados na capela lateral sul. No ano seguinte o Mosteiro recebe os restos mortais do poeta João de Deus. Posteriormente, instalam-se também os túmulos de algumas figuras da literatura e política: Almeida Garret (1902), Sidónio Pais (1918), Guerra Junqueiro (1923) e Teófilo Braga (1924).

O Ministério das Obras Públicas abre concurso para concluir o anexo que passa a servir de Museu Nacional da Indústria e Comércio, mas que acaba por ser extinto, em 1899, sendo substituído, por decreto de 20 de Novembro de 1900, pelas colecções do Museu Etnológico Português.

rss